Balanço de 2007

Em primeiro lugar, desculpem-me por tantos dias ausente. Estive viajando (extrema falta de educação, compromissos à minha espera, e eu nem avisei ninguém). Estava em Marcelino Ramos, e felizmente voltei para Novo Hamburgo a tempo de ver de perto 2008 chegar. Sim, de perto, afinal, não fossem os carros de alguns turistas, eu teria a certeza de que estávamos em pleno século XIX; a começar pelos "postos de gasolina" (duas bombas em frente à um armazém), passando pela "revendedora de automóveis" (parecia um ferro-velho, antigo mesmo), chegando nos alto-falantes no refeitório das piscinas, que eram espécies de cones, muito antigos. Mas, voltando para o fim de 2007, vou, ao contrário de pessoas que evitam isso, rever este ano. Não tenho medo da retrospectiva. Por mais que tudo pareça ter sido insignificante, 2007 faz parte da minha história.

O Grêmio venceu o Gauchão e foi vice-campeão da Libertadores. O Inter não conseguiu nenhum título. O Grêmio terminou o brasileirão mediocramente. A política do Brasil continua uma merda. Não piorou, a diferença é que há 10 anos ninguém sabia dos escândalos. O Brasil continua corrupto e favelado. O Rio Grande do Sul caiu um pouco economicamente, mas há esperanças para 2008. A Yeda deu continuação no seu governo horrível, com seus projetos inúteis. Mas parece que a segurança no Estado aumentou bastante nestes últimos dois anos.
Não sei se conseguiram unir as turmas nas escolas estaduais, mas a Yeda ainda não privatizou a Liberato. Enquanto muitos gaúchos ainda se influenciam pelo Brasil, e ficam ouvindo pagode, hip hop, funk, enfim, eu tenho visto também muitos jovens ouvindo rock, e cultuando as tradições gaúchas.
Enfim, foi mais um ano que passou... Só isso? Talvez, para muitos 2007 foi apenas mais um ano que passou. Mas para mim não. Foi o ano em que estreiei na Liberato. E passei para a 2ª série. Conheci muitíssimas pessoas legais (chatas também, mas elas não fazem diferença), joguei muito jogo da velha, chutei muitas pedrinhas na rua, pisei em muitas folhas secas, e cantarolei e cantei por muito tempo. Soltei bocejos recordistas durante a aula. Toquei violão. Fiz desenhos. Fui à missas. Ouvi rock. E bati meu recorde pessoal de bizarrices em público.
Fiz coisas que nunca antes tinha feito, fui a lugares que nunca antes tinha ido, na companhia de pessoas que antes nem conhecia. Andei por ruas de Novo Hamburgo, pelas quais nunca antes tinha passado.
E na aula... Vi os professores pegando no meu pé como nunca antes eu tinha visto, não por causa das notas, mas por causa das atitudes mesmo. Fui muitas vezes ao banheiro comprar passoquinhas ou ver se encontrava alguém para conversar. É... Durante 2007 eu comi muitas passoquinhas, e muito chocolate. Tomei café como nunca. E voltei a tomar Coca-Cola (eu tinha parado de tomar refrigerantes).
Cortei o meu cabelo muitas vezes. Uma vez a cabeleireira cortou, outras duas vezes quem cortou foi minha mãe, e as últimas três vezes fui eu mesma. Eu mesma... Em 2007 realizei o sonho de ter uma franja (que eu mesma fiz), e em 2008 quero realizar o sonho de voltar a ter franja comprida.
Talvez para muitos foi apenas mais um ano que passou. Fazem pouco caso dos anos, da virada, dos foguetes. Eles não sabem que o que torna a vida feliz não são os grandes acontecimentos, e sim as pesquenas coisas do dia-a-dia, e principalmente, os amigos e o fato de saber que Deus nos acompanhou o tempo todo.
Feliz 2008 a todos!
Vivam!
Cantem - não se preocupem se a voz de vocês é feia. Pensem que cantar é divertido, e vocês não estão ouvido a voz de vocês. Os outros que agüentem!
Fé em Deus!
E comam chocolate.

*Só uma correçãozinha... Realmente o Inter ganhou a Recopa... Mas tudo bem, só recopa mesmo...

Um comentário:

Vigilante Manfio, mais atrapalhado que Cusco em procissão disse...

se eu não me engano esse ano meu Inter foi campeão da Recopa Sul-Americana em cima do Pachuca, perdemos lá, mas aqui eles levaram de 4
sem problemas a sua ausência
mas que nada
esse texto mato a pau, você escreve muito bem