Estudos e palavrões

Toda criança vai para a escola inocente. E quando termina os estudos, sai muito bagaceira. Certo? Comigo foi assim ao menos.

Escola aonde era pra ser um lugar de aprendizagem, como diria meu professor "Sou professor, pra passar o conhecimento adiante", não é mais. Desde cedo, não se estuda nada e vai bem nas provas. Como? Colando... Ou até mesmo, porque as provas de certos professores, são ridículas. Eu lembro que na sexta série, as provas da minha professora de ciência era a mesma coisa que os exercícios do caderno. E com consulta ainda. Ou seja, não precisa fazer esforço algum pra passar de ano.

Reclamam de certo professor que é muito exigente. Que cobra do aluno. Reclamam do método duríssimo de ensino, mas não vêem que assim, vão aprender de verdade. Ao contrário de professores, que, "dão" nota de graça ao aluno e são assim chamados de "legais". Aham... Quero ver no dia do vestibular, concurso público...

Eu digo que na escola, eu aprendi inúmeros palavrões. Não só eu, mas muitos por ai já ouviram "tomar no cú", "se fuder", "porra" acharam legal e hoje dizem esses palavrões ou "nomes feios".

A pergunta é, como as crianças de hoje em dia aprendem esses palavrões, se todos da mesma turma tem a mesma idade? A resposta é simples. Irmão, primos, tios ou qualquer outro cidadão que gosta muito de falar um "porra do caralho" e " puta que pariu" fala isso frequentemente no dia a dia. Aí, uma criança escuta e começa a falar também. Assim, sucessivamente até que todas falem também.

Eu sou um que, digo muitos palavrões ao longo do dia. Mas não digo "caralho" na frente de alguma criança. Não tenho irmãos e... Não faz diferença alguma isso.

Ainda acho que deviam processar os colégios, que são ótimos lugares pra você aprender palavrões e não ter mais aula pro resto da vida. Sonho de criança mode on

2 comentários:

Lidiele Moura disse...

lava essa boca com sabão de coco manfio..UAHUAHUHUHUHUHUHUH

Lincoln Pires disse...

Achei que eram irmãos (Manfio)...
=|

Mas é bem isso cara, tinham vários professores que davam nota de graça.
E alguns poucos que nos ensinavam mesmo.
Graças a Deus, a minha profª de Língua Portuguesa exigia tanto que eu só passava com notas em "ciminha" da risca, e por uma vez, para não reprovar na disciplina, ela me deu 3 pts, mas porque sabia que eu estudava.

Ruim vai ser essa geração chegar a ter um cargo público, já que está tudo se complicando cada vez mais no ramo para os concurseiros.

ótima postagem.